Na estrada

Então, fomos à Toscana de carro, saindo da Dinamarca. Tínhamos decidido dirigir até Munique e passar a noite lá, aproveitando para encontrar um querido amigo que mora por lá e jantar com ele. Saímos de casa na sexta-feira dia 19 de junho, às 5 da matina.

Eu dirigi de casa até a chegada no sul da ilha de Sjælland, onde pegamos o ferry para fazer a travessia para a Alemanha. Esse primeiro trecho de carro leva 2 horas; a travessia de ferry leva cerca de 40 minutos e é bem gostosa quando o tempo está bom e podemos curtir o deck do lado de fora 🙂 Chegando na Alemanha o Jan assumiu o volante.

Não tínhamos dirigido nem 30 quilômetros quando um carro da polizei colou no nosso traseiro, nos ultrapassou e nos mandou parar o carro! Estava chovendo, encostamos e o policial mandou sairmos do carro. Até essa hora nos perguntávamos o que havia de errado… até que o policial falou:

Recebemos uma ligação sobre um carro que estaria usando placas falsas…

O Jan se apressou para providenciar os documentos do carro e eu caí na risada! Eis aí o motivo da preocupação do policial:

Kaiser

Kaiser

 

Aqui na Dinamarca, pagando uma grana extra pelo emplacamento, a gente pode escolher a placa do nosso carro – desde que não ultrapasse o limite de 7 dígitos e desde que não haja um outro idêntico já em circulação, claro. Quando compramos nosso carro ano passado o marido me fez uma surpresa e de presente me deu o Kaiser. Kaiser é meu sobrenome, herdado do lado alemão da família de meu pai. Na Alemanha tem Kaiser pra todo lado – nome de praças, vilas e de pessoas. Acho que o polizei tava mesmo era com inveja da nossa placa!

Mal-entendido devidamente desfeito, continuamos…

A estrada até Munique é bem chata. Na verdade estava bem caótica – vimos muitos caminhões fazendo ultrapassagens perigosas, muitos trailers de camping, muitos, muitos carros, enfim, tráfego intenso – mas não podemos reclamar, não pegamos congestionamento em nenhum trecho sequer. (indo pra França no ano passado encaramos alguns poucos e não muito longos).

Durante a maior parte da viagem pegamos muita, muita chuva! Isso nos atrasou um pouco e só chegamos em Munique às 6 da tarde. Fizemos poucas e curtíssimas paradas pelo caminho – tínhamos levado nossos próprios sanduíches e outras guloseimas de casa, então foi mais pra comer dentro do carro mesmo, esticar as pernas e fazer xixi.

Em Munique, nos hospedamos no Fleming’s Hotel München-Schwabing. Um hotel novo, bem localizado, 4 estrelas, um ótimo serviço, com um café da manhã bem gostoso e farto, uma cama confortável e tudo muito moderno e de muito bom gosto. Mas o quarto era minúsculo, minúsculo mesmo. Assim eu o recomendo para estadias como a nossa, em que só queríamos um estacionamento, um banheiro e uma cama. Passar mais de uma noite ali teria sido tortura.

Encontramos meu amigo e fomos comer na Marienplatz, mas estava chovendo tanto e fazendo tanto frio que não tivemos ânimo pra tirar fotos. Queríamos comer algo rápido e bem típico da Bavária, então o local foi perfeito.

Depois demos uma voltinha pelo centrinho, tivemos um gostinho de Munique, com certeza queremos voltar. Mas passeio turístico com chuva realmente pra mim, não dá.

No dia seguinte saímos depois de um café da manhã demorado. Não tínhamos muita pressa, pois só poderíamos pegar as chaves da casa na Toscana depois das 4 da tarde. Gente, a estrada a partir de Munique é coisa de filme. Depois de pouco tempo estávamos na Áustria. Que visual!!! Alpes, cujos topos ainda estavam cobertos de neve. Muitos castelos e  igrejas nos topos de colinas. Vilarejos típicos, muito, muito verde.

Áustria

Áustria

 

Castelo, bem perto da fronteira com a Itália

Castelo, bem perto da fronteira com a Itália

 

De repente cruzamos a fronteira com a Itália e curiosamente o tempo já começou a mudar; já podíamos ver o céu azul atrás das nuvens de chuva, e a natureza exuberante, verde, um ar gostoso de respirar…

Entrando na Itália

Entrando na Itália

 

Ainda com neve no topo dos alpes

Ainda com neve no topo dos alpes

 

E tome estrada. No caminho até nossa casa em Casole d’Elsa, na Toscana, muitas pontes e muitos túneis.

Muitos túneis

Muitos túneis

 

Finalmente estávamos na Toscana! Que delícia aquele cenário de filmes que muitas vezes tinham passado pela minha cabeça lendo relatos em outros blogs. Muita paisagem linda, muitos vinhedos, muitos girassóis.

Muita uva

Muita uva

 

Muitos girassóis!

Muitos girassóis!

 

No dia que rodamos por Chianti, passando pela famosa S222 – uma estradinha cheia de curvas e paisagens lindíssimas que liga Firenze a Siena – acho que paramos o carro umas mil vezes pra tirar foto de tudo quanto é ângulo. Tudo era imperdível!

Chianti

Chianti

S222, Chianti

S222, Chianti

Jan e o Kaiser, Chianti

Jan e o Kaiser, Chianti

Eu e o Kaiser, Chianti

Eu e o Kaiser, Chianti

 

E agora a estradinha de terra, que sai da estrada cheia de curvas em Casole d’Elsa e leva até a nossa casa no meio do nada, com a vista mais gostosa do mundo:

Casole d'Elsa

Casole d'Elsa

Chegando...

Chegando...

Chegamos! Nossa casa é a do canto direito na foto

Chegamos! Nossa casa é a do canto direito na foto

 

Próximo capítulo: muita comida…

Anúncios

Sobre Flavia

Uma brasileira que saiu do Brasil à francesa em 2003 e nunca mais voltou
Esse post foi publicado em Check In. Bookmark o link permanente.

2 respostas para Na estrada

  1. hotel11 disse:

    HI,

    Lovely post looking forward for your blogs

    Regards,

    hotelclarkgreens

  2. Emília disse:

    Demais, Flavia! Delícia de post, não vejo a hora de ver os outros…
    E parabéns pelo baby 😀

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s