Peregrina na França

Em 2018 eu iniciei um projeto com que sonhava há muito tempo. Quando ia fazer 30 anos, planejava realizar o Caminho de Santiago, na Espanha, caminhando por 1 mês da fronteira da Espanha com a França, até Santiago de Compostella na Espanha. Por vários motivos aquela viagem não aconteceu naquela época, mas o sonho nasceu, cresceu e se desenvolveu ao longo desses anos até que resolvi colocar os pés na trilha – iniciando minha peregrinação em Le Puy-en-Velay, na França –  e caminhar alguns dias por ano, até chegar em Santiago. Sem pressa.

via podiensis

Assim a primeira etapa da minha viagem seria caminhar por 4 dias um total de 86km, de Le Puy até Aumont-Aubrac. Me preparei por meses e parti. Me empolguei tanto que percorri os 86km em 3 dias, em vez de 4. Foi um erro, entre outros que cometi nessa primeira etapa. Aprendi com eles. Aqui vai um resumo dessa primeira experiência.

Marido foi comigo para o fim de semana. Em Paris fiz o basicão com ele, que não conhecia a Cidade-Luz. Nos hospedamos em Montmartre, comemos brunch no Marcel, caminhamos da Arco do Triunfo até a Notre-Dame, passei na Shakespeare & Co, um dos meus lugares preferidos na cidade, e subimos a Torre Eiffel de escada (o que eu recomendo altamente: dificilmente você vai encontrar fila pra comprar o ingresso ou pra esperar o elevador).

Na segunda-feira, marido voltou pra casa e pros filhotes, e eu, em plena greve da SNCF, consegui pegar um trem e um busão e chegar em Le Puy bem tarde da noite; atavessei a rua e lá estava um Ibis Budget, onde me hospedei.

No dia seguinte acordei às 6, tomei um bom banho, um bom petit-dej, botei a mochila nas costas e parti pra Catedral de Le Puy, de onde minha caminhada iniciaria. Houve uma missa rápida e bonita às 7. De lá recebemos a bênção do padre, fui buscar minha Credencial do Peregrino e botei os pés no Caminho às 8 e meia, cheia de gás!

Os primeiros 12,5 km foram tranquilos. Caminhei rápido, numa média de 11 minutos por km. Chegando numa pequena fonte, encontrei dois belgas – o Olivier e o Patrick – com quem caminhei um pouco até a parada para o almoço, mais uns quilômetros à frente.

Ao fim de um total de 29km, chegamos a Monistrol-d’Allier. O Patrick ficou no albergue mais baratinho da cidade, e eu em outro albergue onde eu podia pagar com cartão de crédito. Por €33,5 eu tive um quartão confortável só pra mim, jantar e café da manhã incluídos no albergue Le Repos du Pélerin. Os responsáveis foram muito queridos. O jantar foi delicioso e farto, e no dia seguinte depois do café da manhã eu estava novamente me jogando na estrada às 7 e meia.

Nesse dia caminhei sozinha na maior parte do tempo, mas cruzei algumas vezes com o Patrick. Decidi ir até Le Sauvage, e pernoitar no único albergue do que eu acreditava ser uma cidadezinha. Isso significava ter andado 31km nesse dia no total, o que já é muito. Quando cheguei lá, surpresa: o albergue estava lotado e não havia mais nada naquele lugarejo – teria que andar mais 4-5km até o próximo!

Com os ombros latejando e os pés em chamas, me sentei calmamente, tomei um sorvete e decidi me adiantar, pois não havia uma alternativa e já era 4 horas da tarde – logo ficaria escuro. Eu tinha que voltar pra estrada. A dona do albergue Le Sauvage teve a gentileza de me dar o contato de uma senhora que abrigava peregrinos como eu, e essa senhora me buscou em seu Citroën 93 no meio da estrada. Na casa dela me serviu jantar, um quarto com banheira e de café da manhã no dia seguinte, pão com geleia feita das frutas vermelhas do quintal.

De manhã ela me levou exatamente onde tinha me pegado na tarde anterior e continuei meu último dia de caminhada até Aumont-Aubrac 🙂

Esse último dia foi tranquilo e curto comparado com os outros. Chegando em Aumont-Aubrac agradeci, me hospedei num alberguinho, jantei, dormi. No dia seguinte bem cedinho peguei o ônibus pra Montpellier, onde fui curtir um fim de semana com minha amiga Grace*.

Além do Patrick que citei, tive mais vários encontros interessantes com várias pessoas de diferentes idades e culturas pelo caminho. Foi uma das melhores partes da experiência.

Agora estou planejando a segunda etapa dessa peregrinação, que será na primavera de 2019.

Essa próxima parte do post vai abordar principalmente o que levar na mochila – o que levei em 2018 e o que vou levar em 2019. É um compilado do que eu aprendi na prática e do que reuni em vários blogs e videos de peregrinos internet afora. Espero que seja útil!

Mochila

O modelo e o peso da mochila são importantíssimos pro sucesso da peregrinação. O peso dela não deve passar 10% do peso do seu corpo, e em 2018 a minha mochila ficou um pouco mais pesada que isso. Eu caminhei com uma mochila de 50 litros, o que foi um erro. Para esse ano minha mochila será uma Osprey Kyte de 36 litros. A minha primeira mochila só abria no topo e isso me irritou. Minha nova Osprey abre no topo, no fundo e na lateral.

Tênis

Como caminhei (e caminharei esse ano) na primavera, não é necessário usar botas. Em 2018 caminhei com meu tênis de trail run Salomon Speedcross 4, o que não recomendo. Ele é excelente para corridas curtas em trilhas. Mas não para caminhar muitos quilômetros por dias seguidos. Então esse ano minha escolha é o Salomon X Ultra 3.

Três detalhes importantes sobre o sapato: para essa época do ano, eles não devem ter GoreTex (GTX). Essa película torna os sapatos à prova d’água, mas também impede o transporte de suor dos pés, o que contribuiu para minhas bolhas horrendas em 2018. Sapatos sem GoreTex secam rápido se molharem, e os pés respiram e ficam secos. O segundo detalhe: esses sapatos devem ser pelo menos 2 tamanhos maiores do que o seu tamanho normal. Assim como tênis de corrida, durante a atividade os pés incham, precisando de espaço, e nas longas descidas, os pés escorregam muito pra frente dos sapatos. Se não houver espaço…. bolhas! Terceiro e último: USE bastante seu sapato ANTES de ir pra peregrinação. Sapato novo dá bolhas.

Meias

De lã merino, não fedem, secam rápido, mantem a temperatura dos pés estável, e são mega confortáveis. Levei dois pares.

Roupas pra caminhada e pra vestir depois do banho

Também de lã merino. Levei uma de manga longa e uma de manga curta. Além das duas blusas, um fleece, uma jaqueta fina de chuva com capuz (a minha é da The North Face), 2 calcinhas, dois tops de ginástica sem costura , uma calça de trekking/hiking (material fino, elástico, que seque rápido e seja confortável. A minha é da Adidas). Pra usar depois do banho: uma calça molinha, um par de Havaianas, uma blusinha de algodão, um sutiã. Depois do jantar: baby-doll confortável de algodão.

Outros

Levei saco de dormir. Pesa…. e não precisei usar. Não levarei de novo. Um livro: essencial, além do guia. Telefone. Produtos de banho, em versão miniatura: um pente, um vidrinho de condicionador, um sabãozinho de hotel, um shampoo em barra, um desodorante, uma mini-pastinha de dente, uma escova de dente. Protetor solar e boné. Uma bisnaguinha de Voltarem Gel, alguns analgésicos e band-aids. Só! Zero perfume ou maquiagem.

Além da jaqueta de chuva, eu levei um poncho de plástico. Felizmente não precisei dele, mas levarei de novo esse ano. Em 2018 levei uma toalha de rosto. Esse ano vou procurar e investir numa de micro-fibra que seca rápido.

Outras coisinhas que eu sempre tinha à mão: barrinhas de cereal, banana, água (levei minha garrafinha de água de academia) e foi suficiente. A gente passa por mercados ou fontes de água frequentemente no caminho.

Uma mini-carteira só com essenciais: cartão de crédito, algum dinheiro. Passaporte.

Acho que foi tudo. Agora estou me aquecendo para a próxima etapa: Aumont-Aubrac a Figeac 🙂

 

 

 

Anúncios
Publicado em Check In, Moi, Viajando | Deixe um comentário

Nova York – mais dicas

Por causa do meu trabalho, fui a Nova York várias vezes desde o fim do ano passado. Na primeira vez, há um ano, não tive tempo de fazer nada de turismo. Na segunda vez aproveitei um findi que descrevi no post anterior. Depois daquela vez, foram mais várias! Com exceção do primeiro findi em NYC, todos os outros me hospedei em Chelsea. Então as dicas aqui especialmente de onde comer valem para essa região.

Aqui vai um resumão do que eu mais gostei, menos gostei, de hotéis a diferentes passeios e restaurantes, assim como dicas do que eu acho que não vale a pena.

Em abril desse ano peguei um final de semana lindo, ensolarado e com temperaturas acima dos 20 graus celcius! Estava comemorando meu aniversário de 40 anos, então aproveitei e contratei um fotógrafo pra registrar meu dia de modelete véia no Brooklyn. Recomendo altamente o Rodolfo.

Fiquei hospedada no Holiday Inn Express em Chelsea, localização: nota 10. Hotel: nota 6. Nem pense em tomar café da manhã no hotel quando se hospedar em Nova Yok! Há milhares de outras opções bem mais interessantes.

Falando em comida aqui vão algumas dicas: no Chelsea Market, você pode comer de olhos fechados em qualquer lugar. Tudo é delicioso 🙂 Tente o Amy’s Bread para um café da manhã, e definitivamente coma 3 tacos de uma vez no Los Tacos N. 1. Não tem melhor nem mais barato!

Outro bom lugar para um brunch ou almoço na região Chelsea – West Village é o Westville – dá pra se sentir um local sentado ali e olhando o movimento na calçada.

Querendo comida italiana? O SoHo é um lugar delicioso para se comer, passear, flanar, ver gente, lojas, livrarias, enfim. Lá encontrei uma pérola chamada Il Corallo Trattoria, onde comi uma pasta deliciosa e uma burrata que vou te contar.

 

Para ir de grátis pertinho da Estátua da Liberdade, peguei o ferry para Staten Island no sul de Manhattan. Chegando em Staten Island, volte imediatamente para o embarque de volta pra Manhattan, não há nada de interessante pra se fazer por lá, mas vale o passeio grátis! Aproveite que já estará perto e visite o Memorial do 11 de setembro na volta.

 

Aproveite para ver arte na sua passagem em Nova York. Eu dei sorte de pegar uma exibição de Tarsila do Amaral no MoMa e também vi obras de Eduardo Kobra e Os Gêmeos pelas ruas e no High Line Park.

 

Aliás, como é lindo o High Line Park! Vá!

Uma das minhas obsessões na vida é visitar livrarias. Apaixonei-me pela Strand Books que fica na Broadway, perto da Union Square. Sempre saio de lá com livros, chaveiros, bolsas, broches, marcadores de páginas, etc. Também há uma ótima no Chelsea Market e algumas menores e locais pelo SoHo afora.

 

E claro, eu que amo correr não podia deixar de participar de corridas ou correr mesmo sozinha no Central Park. Em junho, corri de Chelsea até o Central Park, e chegando lá descobri que tava rolando uma corrida de rua promovida pela imigração italiana de lá, a Italy Run (5 milhas, cerca de 8 km) e me juntei a eles totalmente de última hora. Da última visita, em outubro, me juntei a um tour da Fit Tours e super recomendo!

 

 

 

 

Publicado em Check-up de Rotina | Deixe um comentário

Um fim de semana em Nova York

No fim de semana passado estive em Nova York. Fui a trabalho, e aproveitei o fim de semana para passear por essa cidade que nunca dorme, onde se há tanto a ver e fazer e eu só tinha dois dias.

Por causa desse tempo extremamente limitado, precisei planejar bastante e aceitar que eu precisaria relaxar. Esse mini roteiro então foi confeccionado sob medida para essa ocasião, não significa que escolhi uma programacão perfeita para alguém indo a Nova York pela primeira vez.

Cheguei no aeroporto JFK às onze da noite da sexta-feira. Tinha planejado chegar em Manhattan de transporte público, mas o voo programado para pousar às 9 da noite atrasou 2 horas, então achei que merecia entrar num taxi e ser transportada até a porta do meu hotel (Shelburne, An Affinia Hotel – 303 Lexington Avenue. Excelente localizacão, pertinho do Empire State). Saquei um pouco de dinheiro no atm do aeroporto e entrei no taxi. A corrida incluindo gorjeta deu 65 dólares.

 

 

Acordei sábado cedíssimo. O dia estava lindo e ensolarado, apesar dos -8 graus cortantes nas ruas. Saí do hotel, caminhei até a Penélope onde cheguei às 8 em ponto (eles estavam abrindo) e comi um brunch gostoso (nem chequei as opcões de café da manhã do hotel), de lá comecei a bater perna pela 34th St, que é o paraíso das compras ao ar livre, se por algum motivo você não puder/quiser ir a algum shopping ou outlet. Entrei e comprei nas seguintes lojas:

  • Lush, que vende cosméticos feitos à mão;
  • UniqLo, que vende umas malhinhas com uma tecnologia japonesa especial para climas frios;
  • Amazon Books, onde comprei A Amiga Genial, de Elena Ferrante; O velho e o Mar, e O Sol também se levanta, ambos de Hemingway;
  • Victoria’s Secret, claro, onde comprei lingerie 🙂
  • na rua também tem várias outras lojas como Gap e H&M, queridinhas dos brasileiros, mas não faz muito meu estilo então passei direto.

Durante a caminhada entrei na Ricky’s, que tem tudo para cabelos; Burlington, onde comprei duas malas Samsonite (as malas estavam mais baratas na Burlington do que na Marshall’s e na TJ Maxx – onde achei carteira da Marc Jacobs por 60 dólares, e da Calvin Klein por 40; as três são lojas de departamento bem parecidas, com ótimas pechinchas), Harmon Face values, onde você vai achar tudo que a farmácia Duane Reade tem (e muito mais), mas com precinhos bem melhores.

Almocei um pãozinho rápido em uma das várias filiais do Pain Quotidien pela cidade. Dali cheguei ao Rockefeller Center e subi no Top of the Rock no fim da tarde. Achei válido, o dia estava lindo e a vista de lá é magnífica. Custou uns 32 dólares e enfrentei pouquíssima fila, achei bem organizado.

Dali entrei pela quinta avenida e acabei passando na Nike Town na 57th St. (não recomendo. Achei os precos altos e havia poucas opcões). Caminhei pela quinta avenida, passei pela Times Square e fui até a 39th St. onde jantei no Salvation Taco, achei delicioso e barato, recomendo altamente. Depois da janta fui quase me arrastando pro hotel, que felizmente ficava bem pertinho dali, com os pés em chamas. Erro de principiante, caminhei o dia todo com botas de bico fino. Pelo menos não tinha salto. Mesmo assim, sapato pra bater perna é tênis e pronto!

No domingo acordei cedíssimo mais uma vez e às 8 estava tomando meu café da manhã na Maison Kayser, também recomendo. Quem não se alimenta bem nos EUA é porque não pesquisa e não sabe onde comer. Opcão é o que não falta em Nova York! Aliás ouvi um (dos muitos) grupo de brasileiros conversando perto de mim, onde todos concordavam que “como se come mal nos EUA, comida boa mesmo é a brasileira!“. Olha eu detesto ouvir isso. Porque não é verdade! E eu AMO comida brasileira. Mas não é verdade que só se come bem no Brasil. Há comida boa em todo lugar, e comida ruim também. A mesma coisa sobre quantidades, qando dizem que na Franca as porcões são minúsculas. Ora, barriga nenhuma no mundo precisa de um prato de caminhoneiro como muita gente come. Tudo é uma questão de hábito e costume, além de se estar aberto para vivenciar a cultura local.

Da Maison Kayser, caminhei lentamente até a estacão rodoviária de Port Authority, passando pela 41st street, pela Grand Central, Biblioteca (maravilhosa!!!), Bryant Park e WholeFoods onde fiz umas comprinhas. Cheguei na estacão às 10:10am, comprei meu ticket para o outlet Jersey Gardens em New Jersey e às 10:30 estava a caminho – às 11 chegamos no shopping 🙂

No Jersey Gardens eu entrei em várias lojas, mas as que mais gostei, onde mais gastei e que eu recomendo são: Tommy Hilfiger (maravilhosa, muita coisa bacana e precinhos ótimos), Nike Factory Store (comprei um novo tênis de corrida Lunarglide 8 por 39 dólares, 4 vezes mais barato que na Dinamarca!!!), e Disney e Osh Kosh para presentes pras criancas. Comprei também um perfume num quiosquinho no meio do shopping, um Lauren que eu usei 20 anos atrás e que já saiu de linha, mas ainda encontra-se em alguns lugares mas custa caro (75 dólares).

Por que eu decidi passar um dos únicos dois dias da minha estadia em Nova York dentro de um shopping? Porque segundo a previsão do tempo, o dia seria muito chuvoso. E a previsão acertou. Eu já tinha encarado bastante frio no dia anterior, mas pelo menos o sol estava brilhando. Agora, turistar com chuva não é pra mim. Numa próxima ocasião quero ir até o Brooklyn, e correr no Central Park. Mas dessa vez o foco da viagem foi mesmo compras.

No fim do dia, lá pelas 5 e meia peguei o ônibus de volta pra NY. Jantei no restaurante do hotel, e assim encerrei meu primeiro séjour na Big Apple.

 

 

 

 

 

Publicado em Viajando | Deixe um comentário

Crise dos 40

O que a gente faz quando a crise bate? A gente vira youtuber. Sempre gostei de escrever blog, agora quero fazer videos também. Será que vinga? Vou falar do que? Alguém vai se interessar pelo que eu quero compartilhar?

Já tive blog de variedades, quando me mudei pra Paris e contava do meu dia a dia. Depois deixei de escrever, e quando voltei limitei minha producão literária aos relatos de viagens e experiências gastronômicas. Depois andei falando somente de maternidade no finado Orkut e no Facebook também, em grupos específicos do assunto. Agora sinto que acumulei uma bagagem mais variada e tenho vontade de falar de tudo.

Junte-se a isso o fato da solidão imensa que sinto, mesmo cercada pelo amor da minha família e amigos mais próximos. Acho que é o tal “ser estrangeira”. Acho que é o tal “envelhecer”, e sentir que ainda há uma infinidade de planos e sonhos a serem perseguidos.

Quero falar sobre ser estrangeira, ser mãe, ter 40 anos, querer conquistar o mundo, querer aprender sobre política e filosofia. Ainda tenho uns mil livros pra ler antes de morrer, e umas mil “top 10” listas pra fazer. A vida é curta e passa rápido.

 

Publicado em Check-up de Rotina | 2 Comentários

Minha saga: do sofá à meia-maratona

Posso dizer que eu corro há uns 10 anos.

Tudo começou aos poucos, claro. De tímidos passinhos na esteira da academia, para um jogging mais ousadinho, até as corridas de 5km, depois de 10, 15 e 21km, muita coisa aconteceu.

Corri minha primeira meia-maratona há 2 anos. Antes dela, tinha corrido uma única vez 15km – e antes desses 15, eu tinha algumas corridas de 10km no currículo. O treino semanal não seguia disciplina alguma, e eu corria basicamente 5-7km cerca de 2 vezes por semana.

Meus tempos não eram nada impressionantes: eu fazia 5km em cerca de 32 minutos, às vezes até mais; 10km eram sempre por volta de 1h05m, e minha corrida de 15km antes da primeira meia-maratona tinha durado 1h41m.

Então há dois anos aconteceu minha primeira meia-maratona. Eu dei conta! Não caminhei, não parei, e cruzei a linha de chegada após 2h23m. Depois de 15km eu já estava em frangalhos. Foi uma luta suada, e eu posso dizer que venci. A atmosfera nas ruas de Copenhague era ótima e muito favorável, com torcedores e entretenimento ao longo de todo o percurso. Mas eu diminuí e em muito a minha velocidade à medida em que as minhas forças foram se esvaindo. De uma média de 6m30s por quilômetro, eu encerrei a corrida fazendo quase 8m por quilômetro.

Isso sem mencionar as dores pelo corpo todo depois da corrida. Se eu me sentasse, mal conseguia me levantar, de tanta dor na coluna e nas pernas.

Cerca de 6 meses depois dessa experiência, veio minha segunda meia. A diferença dessa para a primeira foi que eu agora já sabia o que esperar. Sabia o que vinha pela frente depois dos primeiros 15km. Não treinei de forma disciplinada, mas já vinha acumulando mais quilômetros por semana desde a primeira vez, e esse fato combinado com um lindo percurso me ajudaram a diminuir meu tempo e fechar a prova em 2h19m.

Mais seis meses e lá veio minha terceira meia. Minha meta era terminar em 2h15m, mas mais uma vez, não treinei para isso, e depois dos 15km tive que diminuir meu ritmo consideravelmente, e terminei a corrida em 2h18m.

Isso foi há exatamente um ano. Eu estava com 10kg a mais, e decidi que tentaria de novo em 6 meses (maio desse ano) – e que dessa vez certamente conseguiria terminar em 2h15m!

Comecei a treinar sério – era setembro de 2015. Assumi um compromisso de verdade comigo mesma, e juro que meu peso não entrou no contrato. Eu só queria ser mais rápida. Eu queria atingir minha meta. Eu queria me orgulhar de mim mesma. Eu queria vencer um desafio.

Os treinos incluíam correr pelo menos 3 vezes na semana. Uma corrida curta, uma mais longa no meio da semana e nos findis uma corrida longa. No início, corrida longa para mim era 10km. Eu começava na terça feira por exemplo, com 5km, depois 7-8km na quinta, e no sábado 10km.

Isso significava correr em qualquer situação climática! A partir de outubro as noites já eram super escuras, e em dezembro não apenas escuras, mas geladas. Eu não tinha escolha. Eu trabalho durante o dia, busco os filhos na creche/escola, não tenho empregada ou babá. Só posso sair pra correr quando eles já estão na cama. É correr ou correr.

Muitas vezes só conseguia sair pra correr às 9 da noite…. voltava cansada, gelada, às vezes molhada da chuva ou neve. Em muitos trechos o breu era tão grande que eu tinha medo de pisar num buraco (já resolvi esse ‘problema’ e comprei uma lanterninha de corrida, que a gente usa na testa).

Os meses foram passando e eu comecei a ver a recompensa do treino : as pessoas comecaram a notar, antes de mim mesma, que eu estava perdendo peso! Os elogios foram chovendo na minha horta. Isso me dava ainda mais motivação pra sair de noite pra correr, quando o cansaço e muitas vezes a preguiça mesmo, quase venciam.

Em maio de 2016 chegou a meia-maratona que mudaria a minha história! Eu estava correndo sempre entre 17-19 km aos fins de semana, e no último teste tinha feito 19km em cerca de 1h55m. Eu confiava que, se me dedicasse e encarasse como desafio, ia me superar e terminar a corrida em 2 horas! Não 2h15m como era meu plano inicial – mas em 2 horas! Parecia surreal – mas não era mais um sonho distante!

O dia da corrida chegou e estava perfeito… fui com uma colega do trabalho. A temperatura estava em torno de 15 graus e o céu estava meio nublado, mas o sol aparecia às vezes. Quando comecei a correr, me veio um misto de emoção, medo, apreensão, tudo aquilo que só quem corre sabe explicar 🙂 Me juntei aos pacers de 2h05m e lá fomos nós.

Pra mim, os 3-4 primeiros quilômetros são sempre os mais difíceis. O corpo ainda está frio, o pulso aumenta de uma vez, e você começa a suar. Por volta dos 5km o corpo já entrou num ritmo gostoso, você já encontrou seu passo, o corpo está aquecido, daí é mais ou menos colocar no piloto automático.

Eu senti logo nos primeiros quilômetros, que eu estava desenvolvendo uma velocidade interessante, e que eu conseguiria manter ao longo de toda a corrida. Mas não demorou muito e eu senti que o ritmo estava lento, e que eu certamente conseguiria dar uma acelerada. Saí ultrapassando outros corredores, uma delícia de sensação, e melhor ainda, deixei os pacers de 2h05m pra trás.

Fui vendo as placas anunciando a distância já percorrida: 5km….. 10km…. 15km. Hora da verdade. Era ali que anteriormente eu tinha sentido o peso da quilometragem me forçar a diminuir o ritmo. Mas não dessa vez! Continuei no meu ritmo constante, e segui em frente!

18, 19km. Um jato de adrenalina inundou meu coração e eu senti que poderia dar uma acelerada até o fim. Faltando 100 metros pra linha de chegada peguei uma garrafinha de água com alguém da organização e joguei na cabeça, tomei um banho que lavou a minha alma. Eu sabia que estaria quebrando meu recorde pessoal em 100 metros.

Quando cruzei a linha de chegada, fui recebida pelo meu marido – que me fez uma surpresa, eu não sabia que ele estaria ali – e a minha amiga que foi comigo (e acabou antes de mim). Ali me entreguei ao cansaço e à euforia, e corri pra entrar no app da organização e descobrir meu tempo oficial!

Quando ele finalmente ficou disponível, mal pude me conter – tempo oficial: 2h00m49s!!!!!

Era muito melhor do que eu tinha imaginado. Aqueles 49 segundinhos quase me irritaram, mas gente – eu tinha melhorado 18 minutos em 6 meses! 18 minutos e 10 quilos a menos no meu currículo!

Agora o sonho e o próximo objetivo já estavam claros e muito palpáveis – mais 6 meses de treino e disciplina, e eu terminaria a próxima meia-maratona de Copenhague, em setembro de 2016,  abaixo de 2 horas.

Segui treinando pela primavera e pelo verão europeu. Eu sabia que seria difícil. Que eu teria que correr no meu limite. Que uma coisa era manter o ritmo acelerado durante 5km…. outra bem diferente, era me manter abaixo de 5m40s por quilômetro durante todos os 21,1km da corrida.

O dia da meia chegou e lá fui eu! A meia mais animada e bem organizada de que já participei ou ouvi falar! Clima de festa e 22 mil corredores se aquecendo, familiares, amigos e demais entusiastas com buzinas, confetti, faixas, enfim. Muita música animada, e lá vamos nós!

Fui seguindo os pacers de 2h00m pelos primeiros 11 quilômetros. Passamos por diversas zonas de diferentes músicas: banda de rock, dj’s, trio elétrico (de música eletrônica rs), coral, até samba. De repente uma visão que me encheu de adrenalina e energia… uma pessoa da torcida agitando a bandeira brasileira! Era como se eu tivesse precisando daquela motivação. Respirei fundo, dei tchau pros pacers de 2 horas e disparei na frente deles.

Vez ou outra eu dava uma olhadinha, pra confirmar que os balõezinhos amarelos dos pacers tinha realmente ficado  pra trás. Eu sentia que estava dando o melhor de mim naquela corrida, e que eu teria forças pra manter o ritmo até o fim. Isso não significava que seria menos extenuante. Eu estava cansada. Mas determinada!

Quando avistei a placa sinalizando 21km, me emocionei e não quis nem saber o que os outros poderiam pensar. Comecei a gritar: Linha de chegada! Tá chegando! Minha respiração estava tão ofegante que uma mulher um pouco à minha frente se virou pra mim e disse: Você consegue! Vamos lá! Tive a maior vontade de abraçá-la, mas acho que ela teria achado estranho 😛

Quando cruzei a linha de chegada, com os braços pra cima que nem jogador de futebol, só pensava em beber muita água e receber minha medalha. Eu nem pensava em conferir meu tempo oficial, porque eu sabia que tinha quebrado meu record 🙂 🙂 🙂 Quando encontrei meu marido (que também participou da corrida), foi ele que me deu a notícia:

14463171_1808836426064118_7599151236163699989_n

 

 

 

 

Publicado em Check-up de Rotina | Deixe um comentário

Comendo (bem) em Copenhague

Atualizado: 06/08/2015

Pegando carona no comentário da Rita, resolvi que é chegada a hora de falar um pouquinho sobre as opções de alimentação em Copenhague. Se tem algo que me irrita, é pagar um monte de dinheiro pra comer mal, em ciladas turísticas.

Seguindo esse mini guia, duvido que você caia em alguma furada!

Copenhague tem 3 centrões de alimentação, que são aglomerados de restaurantes no mesmo local: Kødbyen, Copenhagen Street Food e Torvehallerne.

Torvehallerne, gourmet

O “Torvehallerne”, que consiste em dois galpões cheios de ‘stands’ das mais variadas comidas, é um lugar pra se passar o dia inteirinho! Lá dentro você encontra delícias dinamarquesas, francesas, italianas, espanholas, etc; de sandubas (‘Smag’) a marmitinhas com bolinhos de carne, fish&chips, ‘bife al pan’ argentino (‘Tango Bar’), sushi, pizza (‘Gorms’), cava (‘Cava Bar’), sucos e smoothies fresquinhos e orgânicos, comida ‘paleo’ sem farinha (‘Paleo’), enfim – Torvehallerne tem de um tudo e TUDO é delicioso.

Comece com um café da manhã no ‘Granny’s House’, onde o menu com café, pão com manteiga, geléia, queijo e presunto, mais um pão doce (Danish Pastry) custa 70 coroas.

O Torvehallerne fica coladinho na estação do metrô em Nørreport, centrão de Copenhague.

Kødbyen, mais gourmet

As posibilidades são muitas, desde pizza (‘Mother’), comida orgânica (‘Bio Mio’) até cozinha internacional mais refinada (‘Gorilla’s’). Explore e escolha – praticamente não há chance de cair numa furada.

Copenhagen Street Food‘budget’

Não perca tempo comprando no ‘Brasa’, o representante ‘brasileiro’ do local. De brasileiro não tem nada. Procure o trailer mais exótico que você conseguir encontrar e se jogue! Os cachorro-quentes gourmet são divinos, o ‘Fat Burger’ é gostoso, fish&chips também, mas eu iria no colombiano (vegetariano), no coreano ou no cuscus marroquino!

Outras opções na cidade

  • Uma deliciosa opção de almoço típico dinamarquês é o Schønnemann pertinho de Nørreport também, reserva recomendada. Ali são servidos os deliciosos sanduíches abertos no pão de centeio (mas você pode pedir pelo pão branco se preferir). Atendimento ótimo, precinhos um pouquinho salgados mas vale cada centavo 🙂
  • se você curte sushi, a opção é o Hatoba, perto da estação de metrô em Kongens Nytorv; ou qualquer um dos restaurantes do Sticks ‘n Sushi espalhados pela cidade;
  • se o negócio for pizza, tente o Gorm’s em frente ao Nyhavn, ou no Torvehallerne;
  • para hamburguers procure um dos Halifax pela cidade;
  • se quiser uma coisa mais nórdica / internacional / gourmet, procure o Madklubben na Vesterbrogade.
  • Para café da manhã, além do Granny’s House que fica no Torvehallerne, há duas redes de padaria que eu adoro e recomendo muito: a Lagkagehuset e a Emmery’s, em ambas você pode encontrar muito mais do que um delicioso morgenmad (‘café da manhã’ em dinamarquês), como bolos, sanduíches perfeitos pra um almoço rápido (ninguém precisa ir pra McDonald’s ou similares, por Deus!) e aquele cafezinho amigo de toda hora.
  • Quer uma sobremesa? Duas opções deliciosas são a Paradis Is, que vende sorvetes artesanais e tem pontos pela cidade inteirinha (fechada no inverno); e a La Glace, casa tradicionalíssima de tortas indescritíveis de tão perfeitas. A La Glace fica bem no meio da famosa rua dos pedestres, a Strøget.

Para mais dicas, visite (em inglês): Tudo Sobre Copenhague 🙂

Publicado em Check-up de Rotina | Deixe um comentário

Comendo em Copenhague: Jensens Bøfhus

Esse foi provavelmente o primeiro restaurante onde eu comi em Copenhague, quando aqui cheguei em 2004. A promessa: um bife rápido, servido com uma saladinha básica e batatas fritas, a um precinho muitíssimo camarada (menos de 100 coroas). Não vou negar que comi lá outras vezes depois dessa primeira, e confesso que comi feliz e satisfeita.

Talvez eu tenha ficado mais exigente, talvez o restaurante tenha mesmo piorado o nível da comida e do atendimento, talvez as duas coisas. A última vez em que estive no Jensens (é uma rede enorme, com diversos restaurantes em toda a Dinamarca) foi há uns 7 anos. E a experiência foi tão ruim que eu pensei comigo mesma, eu não mereço – e nem tenho tempo pra perder com esse tipo de serviço!

Depois disso, passei a pesquisar sobre lugares legais e com precinhos camaradas pra se comer em Copenhague, e o resultado dessa pesquisa e de anos de teste vocês verão publicados aqui em breve (sei que já prometi isso antes, rs)

Mas por que resolvi falar do Jensens hoje?

Primeiro porque o Jensens está no olho do furacão desde a semana passada, com a notícia de que a rede venceu uma briga na justiça contra uma pequena peixaria que fica a centenas de quilômetros da capital, em Frederikshavn (norte da Jutlândia), pelo direito de usar o nome “Jensen”. O problema é que Jensen (assim como Hansen, Nielsen, e todos os outros sobrenomes terminados em -sen) é um dos nomes mais comuns do país, com milhares de pessoas sendo batizadas todos os dias com Jensen no documento. A peixariazinha em questão, um pequeno restaurante familiar que nem de longe ameaça a soberania da rede de bife (primeiro pelo tamanho e localização geográfica, segundo pelo tipo de comida que serve), foi condenada a pagar cerca de 200 mil coroas (pouco menos de cem mil reais) além de perder o direito de usar o nome Jensen (que certamente é o sobrenome do dono, assim como de outros milhares dinamarqueses).

A sociedade se doeu e tomou partido da peixaria, se organizou em um grupo no Facebook e agora milhares de pessoas estão detonando o Jensens (o do bife) e defendendo o Jensen (do peixe 🙂 ) pela internet a fora, principalmente no Facebook e no Trustpilot, que é onde eu trabalho.

jensens

O outro motivo de eu ter resolvido postar sobre esse evento é para alertar os turistas que pensam em vir pra Dinamarca. Não recomendo o Jensens (e não é por motivos políticos). A comida é ruinzinha, o atendimento é péssimo e o cliente nunca tem razão. Pelo mesmo dinheiro, dá pra comer beeeem melhor em outros lugares. Aguardem, eu volto com as dicas quentes.

Publicado em Dinamarca | Marcado com , | 3 Comentários